25 de outubro de 2021

IMPRENSA PRETA

COMUNICAÇÃO DIVERSIDADE E INFORMAÇÃO

Sesc São Paulo apresenta Mostra de Cinemas Africanos em outubro

Evento online e gratuito traz longas e curtas contemporâneos inéditos do continente africano – com destaque para o cinema de gênero e parceria com outros festivais

O Sesc São Paulo promove, de 1º a 10 de outubro de 2021, a Mostra de Cinemas Africanos (MCA), que exibe 30 títulos de ficção e documentário de 16 países, a maioria inéditos no Brasil. O ciclo online e gratuito apresenta 12 sessões (dez longas e dois programas de curtas), legendados em português, além de curso e catálogo digital. Entre os destaques da programação estão exemplos recentes do cinema de gênero da África do Sul, Nigéria e Uganda, e curtas dirigidos por mulheres, com uma mostra competitiva simultânea com o Benin e uma seleção de produções árabes do norte da África. As exibições acontecem na plataforma Sesc Digital e contam com o apoio da Embaixada da França no Brasil e do Institut Français. Mais informações em mostradecinemasafricanos.com.

Longa de abertura Juju Stories (2021) – crédito: 20 Pounds Production

Dos dez longas da mostra, oito são inéditos no Brasil. O principal foco curatorial deste ano é o cinema de gênero. O filme de abertura é “Juju Stories” (2021), do coletivo nigeriano Surreal 16, com três histórias de bruxaria dirigidas por C.J. Obasi, Abba Makama e Michael Omonua. Da África do Sul vêm o road movie feminista “Flatland” (2019), de Jenna Bass, e o policial ambientado no mundo do boxe “Knuckle City” (2019), de Jahmil X.T. Qubeka.

Outros títulos de ficção da MCA são o drama autoral nigeriano “Para Maria” (2020) sobre depressão pós-parto, de Damilola Orimogunje; o drama ambientado no universo da diáspora francesa “Edifício Gagarine” (2020), de Fanny Liatard e Jérémy Trouilh; o suspense ugandês “A Garota do Moletom Amarelo” (2020), de Loukman Ali; e o sobrenatural “Você morrerá aos 20” (2019), de Amjad Abu Alala, do Sudão.

Os três longas documentais da seleção são produções ligadas à Argélia: “Meu Primo Inglês” (2019), de Karim Sayad, “Rua do Saara, 143” (2019), de Hassen Ferhani, e “O Último Refúgio” (2021), de Ousmane Samassekou. Todos os filmes da mostra ficam disponíveis apenas em território brasileiro e serão exibidos durante toda a semana do festival, com exceção de “Edifício Gagarine”, online por 24 horas, e “Você morrerá aos 20”, com limite de 500 visualizações. O catálogo digital da mostra virá com material inédito, que inclui traduções de artigos de pesquisa sobre cinemas africanos, sinopses exclusivas e resenhas dos longas assinadas pelo crítico nigeriano Dika Ofoma.

Com curadorias compartilhadas com dois festivais, os programas de curtas expandem a abrangência dos núcleos de produção africana cobertos pela Mostra. O primeiro é fruto de parceria com a Mostra de Cinema Árabe Feminino (Brasil), que exibe sete filmes com temáticas, gêneros e formatos diversos. A curadoria é de Analu Bambirra e Ana Camila Esteves, e abrange Sudão, Tunísia, Marrocos, Egito e Argélia. Já o segundo programa traz 13 títulos do Festival International des Films de Femmes de Cotonou 2021 (Benin), dirigido por Cornélia Glele. Produções de dez países africanos participam desta primeira mostra competitiva da MCA, simultaneamente no Brasil e no Benin, com um júri brasileiro formado por Morgana Gama (BA), Bethânia Maia (DF) e Mariana Angelito (RJ).

A programação da Mostra de Cinemas Africanos conta ainda com apoio da Cinemateca da Embaixada da França no Brasil (www.cinefrance.com.br) e do Institut Français, agência do Ministério das Relações Exteriores e Europeias para a difusão cultural exterior da França, que traz os longas: “Você morrerá aos 20”, “Rua do Saara, 143” e “Edifício Gagarine”, e a sessão de curtas Mostra de Cinema Árabe Feminino.

Para assistir, acesse sescsp.org.br/cinemasafricanos

DOAÇÃO