18 de maio de 2022

IMPRENSA PRETA

COMUNICAÇÃO DIVERSIDADE E INFORMAÇÃO

Ilustração

A Força Motriz e Potenciadora da vida

Gerar e Potencializar uma vida é transformar uma sociedade, é lutar incessantemente pela igualdade e pelo direito de ser Mulher. Talvez para muitos essa frase possa ser considerada confusa, já para outros apenas mais uma frase de efeito ,o certo é que por mais que debatemos ela ainda está longe de ser reconhecida socialmente.

Não falo da frase em si mas da sujeita da frase , que no caso é a mulher. Chegamos mais uma vez , a esta data de reflexão em um ano pandemico em que todos os olhares estão voltados à inércia governamental e ao abandono sócio – administrativo de milhões de pessoas por uma Federação incopetente e cruel.

Você pode até achar que são assuntos distintos, mas a História nos mostra que não , pois mais uma vez o Dia 8 de Março, deixa de ser apenas um dia entre 365 , para ser o dia do começo de uma grande mudança para todos nós.

Diante disso, você também pode achar que o autor está louco ou sobre efeitos psicotrópicos , mas acredite não estou , a Mulher e sua participação na sociedade, sempre foi determinante e marcante, mesmo que o Patriarcado tenha renegado e a deixado de fora de muitos registros sendo por muitas vezes colocada com papel secundário , temos que reconhecer que o lado mais forte por mais que ainda sofra com um desigual reconhecimento e tratamento , está colecionando vitórias épicas.

Primeiro porque em boa parte a maioria das sociedades são matrilineares, ou seja todas são focadas nas Mulheres e em muitas como no Mulherismo Afrikana ela é o centro e a responsável direta pela condução social.

Ao voltarmos no tempo, mais precisamente na Primeira Guerra Mundial , no Reino Unido, o número de mulheres que trabalhavam por salário subiu 555 por cento em 1914 e 1918, para 7,5 milhões; em 1917 em cada três trabalhadores assalariados, um já era mulher. Quase um milhão delas trabalhava na indústria do armamento; no arsenal de Woolwich, no início do conflito, trabalhavam 14 mil homens e nenhuma mulher; em 1918 estas eram já metade dos 100 mil operários.

Facebook.com/deixaamenina

Este é apenas um de muitos fatos históricos que poderiam ser citados neste artigo , mas vale lembrar que quando se fala nas Mulheres os números sempre são grandiosos, no entanto essa variação por vezes é depreciativa em uma sociedade que ainda nos dias atuais se mantém machista e misógina.

Segundo dados do IBGE(Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística ), Mulheres são mais da metade da população (51,8%) e do eleitorado (52%) no Brasil. Ainda assim, nas últimas eleições, apenas 658 cidades (11,8%) dentre as 5.570 do país, elegeram mulheres como prefeitas.

Mulheres ainda ganham em média 20,5% menos que os homens em todas as ocupações e, apesar de serem mais da metade entre trabalhadores com ensino superior completo no país, possuem salário médio de R $3.876, bem menor que dos homens que é de R $6.292. Apesar de mais instruídas, as mulheres ocupavam 37,4% dos cargos gerenciais e recebiam 77,7% do rendimento dos homens.

Em 2020, as mulheres eram 14,8% dos deputados federais. No processo eleitoral de 2018, 32,2% das candidaturas para o cargo de deputado federal foram de mulheres. Entre as candidaturas que contaram com receita superior a R$ um milhão, apenas 18,0% foram femininas.

Em 2020, entre os vereadores eleitos, 16% eram mulheres. As mulheres eram apenas duas entre os 22 ministros. Na esfera estadual e distrital, 27,6% dos policiais civis e 11% dos policiais militares eram mulheres, em 2018.

No Brasil, o percentual de parlamentares mulheres na Câmara dos deputados passou de 10,5%, em dezembro de 2017, para 14,8%, em setembro de 2020. Apesar do aumento, o Brasil era o país da América do Sul com a menor proporção e encontrava-se na 142ª posição de um ranking com dados para 190 países.

Mulheres pretas e mulheres pardas encontravam-se sub-representadas entre as vereadoras eleitas. Embora representassem 9,2% e 46,2% das mulheres na população em 2019, alcançaram 5,3% e 33,8% das cadeiras obtidas pelas mulheres nas eleições de 2020.

Foto

21 de junho de 1908, as suffragettes 

Annie Kenney e Christabel Pankhurst, duas ativistas em favor do voto feminino.

O contraponto que nós da Imprensa Preta gostaríamos de trazer nesse momento , é que talvez todo essa situação caótica que vivemos em isolamento , poderia ser diferente e menos desigual , se tivéssemos avançado nas pautas sociais e de equidade em vez de retrocedermos ao mais baixo e abissal momento de nossa História Democrática.

E nesse momento temos que reconhecer por direito a força da Mulher Brasileira , da Mulher Preta e Parda , da Mãe Solo , da Mulher trabalhadora,da Mulher empreendedora ou simplesmente da Mulher que ano à ano avança em suas pautas e em suas bandeiras , mesmo sendo violadas , maltratadas , perseguidas , difamadas , agredidas e mortas. 

O homicídio contra a mulher por razões da condição do sexo feminino, a violência doméstica ou familiar e o menosprezo ou discriminação à condição de ser mulher, mostra um fato assustador sobre essa informação sendo o domicilio, o local de ocorrência da violência ter o maior vulto entre as mulheres. Em 2018, enquanto 30,4 % dos homicídios de mulheres ocorreram no domicílio, para os homens a proporção foi de 11,2%..

Entre as mulheres, as pretas ou pardas tinham maiores taxas de homicídio que as mulheres brancas, tanto no domicílio, quanto fora dele. No domicílio, a taxa para as mulheres pretas ou pardas (1,4) era 34,8% maior que para as mulheres brancas (1,1); fora do domicílio, era 121,7% maior (3,8 e 1,7, respectivamente) , segundo informações do IBGE.

Foto

@Estudiosinestesia

E quando falamos em reconhecimento e contraponto , queremos dizer que a verdade é uma só e parece que muitos não a reconhecem, posto que o atraso na igualdade de gêneros a cada dia que passa alimenta o Holocasto Social e aumenta as barreiras humanas.

Por isso este dia 8 de Março dia Internacional da Mulher , no ano de 2021 se torna uma data tão especial pra todos nós , pois esta data é o dia “D” iniciarmos , um grande movimento como iguais e fortalecermos a única e capaz força que poderá mudar o nosso destino no Brasil e no Mundo o Matriarcado é e sempre foi a cura para o mundo , por ser mato gestora , geradora , alimentadora , potencializadora de vidas , por serem Mulheres.