SUS e Vacinas: Parceria que salva vidas

13 de fevereiro de 2021

Em 30 anos de existência, SUS enfrenta seu maior desafio: a pandemia da Covid 19

Depois de um período de folga prolongado é hora de voltar a falar de saúde. Para começar 2021, continuamos na pandemia e agora, o assunto da vez são as vacinas; falaremos sobre os desafios e conquistas do Sistema Único de Saúde (SUS), que ao longo de seus 30 anos vive sua primeira pandemia que ceifou a vida de milhões de pessoas em todas as partes do país e do mundo.   

Uma pesquisa divulgada em dezembro de 2020, apontou que o nível de confiança do brasileiro no SUS, aumentou consideravelmente, chegando aos 11 pontos no Índice de Confiança Social (ICS), apesar dos desafios e contextos adversos. 

Criado em 1991, o Sistema Único de Saúde resiste às adversidades e ameaças de privatização entre outros problemas e tem registrado golaços mostrando-se fundamental na proteção da saúde de sua gente, principalmente, nestes tempos de pandemia, que já deu cabo da vida de mais de 180 mil pessoas.   Ainda em 2020, aproximadamente 600 instituições e entidades criaram a Frente pela Vida que além de propor ações efetivas em resposta à pandemia, exige a recuperação do orçamento do Sistema Único de Saúde e a importância de garantir seu orçamento ao longo deste ano. Um dos principais objetivos da Frente é pressionar o Congresso Nacional a manutenção salarial do piso emergencial da Saúde em 2021.  

Mesmo que não percebamos em algum momento da nossa vida dependemos  do SUS, haja vista, o trabalho da Vigilância Sanitária e Epidemiológica, oferta de medicamentos, desenvolvimento de pesquisas e ações de promoção e prevenção e o mais falado no momento, o Programa de Imunizações que tem como meta, vacinar toda a população do país contra a Covid 19. Falando em vacinas, Margareth Dalcolmo, uma das coordenadoras principais do estudo internacional de fase 3 que avalia o uso da vacina BCG para reduzir o impacto do novo coronavírus, em entrevista à revista Radis da Fiocruz, ressaltou que o país possui uma larga e positiva experiência no que diz respeito a campanhas de vacinação da população. 

“O Brasil, tradicionalmente, sabe vacinar. Nós sabemos fazer campanha e podemos vacinar milhões de brasileiros num único dia para a covid-19, se nós quisermos”, afirma, em referência ao reconhecimento internacional do Programa Nacional de Imunizações (PNI).  

Para a coordenadora, em um país com o tamanho do Brasil é necessária uma cobertura vacinal muito grande, com pelo menos 70% da população brasileira.  Margareth enfatizou ainda a necessidade de um esforço imediato logístico, administrativo e sanitário para o sucesso da campanha de vacinação contra Covid-19.  “Como sabemos, o Brasil tem uma tradição em vacinas muito boa. O Brasil sabe vacinar. Nós temos experiências exitosas com campanhas de vacinação através do nosso PNI, de modo que virtualmente seremos capazes de vacinar milhões de pessoas em um só dia.”