IMPRENSA PRETA

COMUNICAÇÃO DIVERSIDADE E INFORMAÇÃO

A importância de uma alimentação saudável

A importância de uma alimentação saudável

No dia Mundial da Alimentação, publicação sugere hábitos e alimentos saudáveis  para os brasileiros

Comemorado em 16 de Outubro, o Dia Mundial da Alimentação é usado para alertar a população sobre o consumo exagerado de chimarrão e a necessidade de políticas públicas que norteiam os brasileiros. 

De acordo com o webinar, seminário virtual, Recomendações do Instituto Nacional do Câncer (INCA) para prevenção do câncer pela alimentação, nutrição e atividade física, diante do aumento do consumo de alimentos processados e ultraprocessados no Brasil, não basta conter informações sobre alimentação e hábitos saudáveis, é preciso que haja incentivo através de políticas públicas.

Adaptada à realidade brasileira, a publicação Dieta, nutrição, atividade física e câncer: uma análise do Brasil e as recomendações do Inca, é um resumo do terceiro relatório do Fundo Mundial de Pesquisa em Câncer e do Instituto Americano para Pesquisa em Câncer.  

O posfácio da publicação atenta para a necessidade de reduzir o consumo de chimarrão que está relacionado à ocorrência de câncer de esôfago, principalmente na região Sul do país. O ideal é que se consumido, o chimarrão não ultrapasse os 60º. 

Além do seminário virtual, o INCA disponibiliza infográficos educativos sobre a importância de hábitos alimentares saudáveis; de maneira rápida, as pessoas ficam sabendo que não existe limite mínimo seguro para o consumo de álcool e que a bebida é responsável por mais de 2% dos casos de câncer em mulheres e quase 9% nos homens brasileiros; que mais de 55% da população está acima do peso e que o excesso de gordura pode causar pelo menos 12 tipos de câncer. Alimentos ultraprocessados, tipos de carnes e ambientes saudáveis também são assuntos abordados nas peças que estão disponíveis para download

O Instituto também criou uma série de infográficos educativos sobre a importância de bons hábitos alimentares: de maneira rápida, o público fica sabendo que não há limite mínimo seguro para o consumo de álcool e que a bebida é responsável, no Brasil, por mais de 2% dos casos de câncer em mulheres e quase 9% em homens; ou que mais de 55% da população brasileira está acima do peso e que o excesso de gordura pode causar pelo menos 12 tipos de câncer. As peças também tratam de alimentos ultraprocessados, tipos de carnes e ambientes saudáveis. Os infográficos educativos podem ser acessados através do site:  https://www.inca.gov.br/publicacoes/infograficos/promover-ambientes-saudaveis-e-uma-das-formas-de-se-proteger-do-cancer.

Para a Coordenadora de Prevenção e Vigilância(Conprev) do INCA, Maria Eduarda Melo, ter informação confiável, baseada em evidências científicas não é suficiente para a adesão popular. “A gente entende a necessidade de se criar um ambiente, por meio de políticas públicas e ações  que apoiem a capacidade de ação das pessoas em interesse próprio.” 

Segundo o professor-adjunto do Departamento de Medicina Preventiva da Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo, Leandro Fornias Machado de Rezende, cerca de 27% dos casos e 34% das mortes por câncer poderiam ser evitados mediante a redução de fatores de risco ligados ao estilo de vida. “É preciso reforçar as ações na prevenção primária ao câncer,” alertou o professor. 

Uma das maneiras para orientar a população brasileira no que diz respeito à alimentação saudável é o Guia Alimentar para crianças brasileiras menores de 2 anos, lançado no final de 2019. O guia reúne recomendações específicas destinadas aos brasileiros e baseadas em evidências científicas. “Protegendo as crianças nos primeiros anos de vida, elas tenderão a serem adolescentes e adultos menos doentes, com menos casos de obesidade, menos câncer e outras doenças”, explica, Giselle Bertolini, titular da Coordenação –Geral de Alimentação e Nutrição do Ministério da Saúde.   

About Post Author