Pular para a barra de ferramentas

Tem Preta na Roda

Eddie Junior
Read Time1 Minute, 14 Second

Tem Preta Na Roda

No dia 28 de Novembro o Ponto de Cultura Caminhos irá receber a Rapper e Historiadora Preta Rara para uma roda de conversa acompanhada do lançamento do livro “Eu empregada doméstica”, na cidade de Hortolândia.

Joyce Fernandes conhecida como Preta Rara, iniciou sua carreira no Rap em 2006, no extinto grupo de rap feminino Tarja-Preta, no qual permaneceu por 7 anos, abriu vários shows de grupos de rap a nível nacional e ganhou diversos prêmios em São Paulo. 

Preta Rara, além de rapper, é professora de História, modelo Plus Size, militante em diversos grupos, poetisa e proprietária da marca Audácia Afro Moda.

 Em um mês tão importante para lembrarmos das lutas históricas da população negra, é fundamental reconhecermos a atuação política das mulheres pretas em suas comunidades, espaços de trabalho, entre outros locais. 

Ações potentes e fundamentais para a melhora das condições de vida da população afrodescendente ao longo do pós-abolição. A partir de uma conversa com Preta Rara, a idéia é refletir sobre a história do trabalho doméstico no Brasil e as conquistas que o movimento dessas trabalhadoras tem acumulado até então. 

Ainda acontece conversas sobre como os processos de aquilombamento protagonizado pelas mulheres negras tem revolucionado vidas, e as formas de ver e de olhar o mundo. 

 

Serviço

Tem Preta na Roda

Dia 28 de Novembro de 2019

Local –  Ponto de Cultura Caminhos

Rua João Alves , 288 –  Jardim Adelaide –  Hortolândia

Entrada – Gratuita

 
2 0
Happy
Happy
0 %
Sad
Sad
0 %
Excited
Excited
0 %
Sleppy
Sleppy
0 %
Angry
Angry
0 %
Surprise
Surprise
0 %

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Next Post

Um Gesto de amor corrompido pelo preconceito

Em tempos de intolerância, uma informação útil e interessante, algo que as escolas nunca ensinou e provavelmente, não ensinará aos alunos em época nenhuma. Texto compartilhado do historiador e professor, Leandro da UnB. “As oferendas deixadas nas encruzilhadas era uma forma de os negros alimentarem seus irmãos escravos que estavam […]

Subscribe US Now