IMPRENSA PRETA

COMUNICAÇÃO DIVERSIDADE E INFORMAÇÃO

La resistitur, Awọn resistance, La Resistência

Parte 2 A Resistência – Negros do Rio Grande do Sul

Com Colaboração de Perla Santos

Frente Quilombola RS

Nos  últimos anos foram encontrados mais de 100 redutos negros espalhados pelos três estados da região, todos eles em terras sem registro em cartório.

Estas áreas não são quilombos, no sentido tradicional do termo, mas podem ser vistas como um local de resistência.

Segundo lka Boaventura Leite, antropóloga que estuda o fenômeno quilombola na região pelo Núcleo de Estudos sobre Identidade e Relações Interétnicas, fundado em 1986 na Universidade Federal de Santa Catarina , a segregação foi um processo ocorrido em todo o estado, o que auxiliou na formação dos inúmeros quilombos locais.

Foi o desconhecimento da existência desses redutos que causou tamanha falta de informação sobre esses povos negros.

Os negros gaúchos tiveram participação importante na Revolução Farroupilha (1835-1845), como lanceiros. Alguns autores acreditam que eles foram traídos e massacrados na Batalha de Porongos, em 1844.

Em 1872, foi fundada a Sociedade Floresta Aurora pelos gaúchos negros. Estima-se que, nessa época, a população escrava no Rio Grande do Sul chegava a cerca de 20% da população total.

Assim como nos demais estados da federação , os negros libertos pela Lei Áurea, oficialmente Lei Imperial n.º 3.353, sancionada em 13 de maio de 1888 , ao contrário dos imigrantes não receberam títulos de posses de terras ficando assim renegados e marginalizados , a merce da segregação, preconceito, discriminação e perseguição.

Segundo a Federação das Comunidades Quilombolas, existem mais de 130 comunidades remanescentes de quilombos no Rio Grande do Sul. Existiram, por exemplo, quilombos em Rincão do Ipané, Rincão dos Fernandes, Palma (Uruguaiana), Quadra da Palma (Encruzilhada do Sul), Chácara das Rosas (Canoas), Linha Fão (Arroio do Tigre), Rincão dos Caixões (Jacuizinho), Limoeiro (Palmares do Sul), Turuçu, São Lourenço do Sul e vários outros.

Vale do Quilombo (Gramado,Canela-RS

O Rio Grande do Sul é o 6º Estado do país com o maior número de comunidades quilombolas reconhecidas pela Fundação Cultural Palmares, vinculada ao governo federal, com 82 localidades certificadas, somando cerca de três mil famílias. Entre esses há ocorrências de quilombos rurais e quilombos urbanos. ,

Os principais quilombos do Rio Grande do Sul

  • Quilombo do negro Lúcio (ilha dos Marinheiros)
  • Quilombo do Arroio.
  • Quilombo da serra dos Tapes.
  • Quilombo de Manuel Padeiro.
  • Quilombo do município de Rio Pardo.
  • Quilombo na serra do Distrito do Couto(cidade baixa)
  • Quilombo no município de Montenegro.
  • Quilombo Família Silva.

Na terceira parte da reportagem , vamos conhecer as inúmeras batalhas travadas pela comunidade negra no Rio Grande do Sul como ,a busca pelo reconhecimento social e visibilidade na década de 80 , as perseguições ao batuque(religiões de matrizes africanas).

About Post Author